18 de jun de 2010


Ela andava suave, quase sem tocar o chão. Trazia sempre a leveza nos pés e no pensamento a certeza: "a poesia da lagarta é ter alma de borboleta”. Num instante, seu sorriso furta-cor me escapou seu segredo de pluma. Ela tinha asas transparentes.



Nenhum comentário:

Postar um comentário