12 de jan de 2011

Ano Novo.


O vento assanhou a grama, o pelo do cachorro e as ondas do cabelo dela. Naquele instante, descobriu o que é eterno, como vibram as cores, e o cheiro morno que traz a manhã. Se janeirava um afeto... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário